Normal eleitor

Caso, atualmente muito remoto, o Haddad (PT) consiga reverter a diferença de votos para alcançar o Bolsonaro (PSL). Caso, seja confirmado todas as pesquisas com o Bolsonaro subindo a rampa do Palácio do Planalto.

Em ambos casos, em muito pouco tempo, vamos assistir o contumaz reclamador falando que o presidente entrou fazendo besteira, surgindo, em seguida, o eleitor que não votou nele para isso, no percurso do mandato a grita geral será que o “Brasil tem jeito” não com os políticos que temos.

Curioso que se o eleito for da esquerda a culpa das mazelas será o Lula. Sendo da direita, bem, nesta altura, ninguém fala mais alto, no máximo sussurros.

Poucos, muito poucos, devem aparecer, no segundo ano, para assumir em quem votou e defender o eleito na mesma veemência. História repetida, com ou sem liberdade.

  • Charge do Nuna para a página Opinião, Colunas Aparte e do Klamt.

Idem

No bate-boca entre o grupo Sarney e Dino ganhou um novo ingrediente com todos da oposição, que sofreram a amarga derrota na rejeição das urnas, declarando votos ao Jair Bolsonaro (PSL). Evidente que o candidato capitão vai incentivar os adversários do comunista. Nem precisa ser observador para saber que Jair odeia Flávio. Reciprocidade idêntica do Dino para o Bolsonaro. Charge do Nuna.

Figuras Políticas – Rubens Jr.

 

Único deputado federal reeleito com mais de cem mil votos em seguidas campanhas somado a uma atuação no primeiro mandato que o elevou ao alto clero do Congresso Nacional permite a Rubens Jr. (PCdoB) caminhar naturalmente para ser o novo líder do partido na Câmara dos Deputados. Devidamente incentivado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) e camaradas. Imagem Fellipe Neiva.

Othelino, alinhamento antecipado

Alinhando devidamente o legislativo na nova conjuntura de poder no Maranhão incentivou a maioria dos novos deputados e os reeleitos a declarar o voto espontâneo na condução do atual presidente Othelino Neto (PCdoB) para manter a estabilidade política e administrativa da Assembleia Legislativa. Atípico está na rápida decisão dos parlamentares, nem deu para esfriar da eleição.

  • Coluna Aparte publicada nas segundas-feiras, na página Política, no jornal O Imparcial. 

Coluna Aparte – Normais

Nunca que chegou para os brasileiros o prometido país do futuro, somente vivem das sobras da operância corrupta e incompetente dos políticos.

Querem obrigar a população a definir o dobrar para alguma direção sem explicar se a rua tem saída, tentam impor os modelos divididos entre os brutos de direita e os aloprados ideológicos de esquerda.

Pior saber que os eleitores devem eleger um ilusionista no poder, um faz de conta no palco que o cidadão vai exercer o papel de distrair os outros palhaços da plateia, assim o picadeiro sempre será deles.

Burras figuras do Haddad (PT) mantém declarações sobre o salvar o Lula com efeito de perdas de votos nas urnas, mesma bestialidade saindo da boca do Bolsonaro (PSL) com a certeza que a truculência vai ser a sua marca no governo. Coitados dos jornalistas, religiosos e defensores dos direitos individuais.

Diante desta impossibilidade de escolher uma “coisa” melhor surge o eleitor da categoria “normal” incorporado no patamar do sem opção de voto, restando rezar para dar certo.

Tivemos os caras pintadas tirando o Collor do Planalto. Sem direito ao arrependimento podemos oficializar os mascarados do Jair fazendo do terror a constância do cala a boca.

  • Coluna Aparte publicada nas segundas-feiras, na página Política, no jornal O Imparcial.
  • Charge do Nuna.

Figuras Políticas – Clayton

Resignado na missão de fortalecer e estruturar o projeto de mudança no Maranhão determinou o papel de Clayton Noleto (PCdoB) como o secretário responsável pela condução das obras no governo estadual. Determinado, cumpriu o papel de militante na reeleição de Flávio Dino (PCdoB) e dos aliados. Visionário, abriu a mão do mandato de deputado federal pelo grupo político sabendo que no seu caminho está a prefeitura de Imperatriz em 2020 e, porque não, o governo ou, quem sabe, o Senado em 2022, caso Dino saia para presidente do Brasil.

Figuras Políticas – Osmar

Cumprida a missão partidária de eleger os candidatos do PDT com o ponto principal na vitória acachapante de Weverton Rocha ao Senado fortaleceu Osmar Filho (PDT) como político atuante na corrida eleitoral. Para o amanhã, direciona a capacidade para assumir o papel de principal gestor do legislativo de São Luís numa transição equilibrada trazendo mais propostas para a Câmara de Vereadores.

Maranhão, vai passando

Vai passando os dias sem conseguirmos ler e ouvir na imprensa a dimensão da vitória de Flávio Dino (PCdoB) em relação ao grupo Sarney.

Fato que muitos veículos e blogueiros avulsos, tirando o Sistema Mirante, fizeram manchetes afirmando o final do poder de José Sarney (MDB) no Maranhão. Sem alcançar uma análise do amanhã nos processos de ascensão dos três poderes no estado.

Podem acreditar na impossibilidade de medir os efeitos da perda de todos os espaços no cenário local e nacional, martela na cabeça da imprensa especializada de quem seria o próximo político capaz de quebrar a hegemonia do grupo Dino.

Política sempre cria a plantação de fenômenos aliados para depois descobrir a vacina, quando não o inseticida, capaz secar a raiz da erva daninha. Flávio Dino (PCdoB) ultrapassou a traição dos ex-amigos, agora adversários, sabendo que em todas as eleições vai alimentar a saliva venenosa do próximo inimigo.

Sarney, mais a quinta geração estão financeiramente ricos, evidente que precisam aprender a trabalhar. Acabou o seu é meu também.

Pode ser melancólica a perda do poder de cinquenta anos, mas nenhum maranhense, ou seria brasileiro, lamentou o desprezo eleitoral aos candidatos do grupo. Sem esquecer do Lobão (MDB), pai e filho, que não perderam um nada, somente a proteção contra a Polícia Federal.

Na boleia carregada do passado inoperante vai os restos de espíritos nada Santos, querendo rezar a ladainha do Bolsonaro (PSL) para tentarem voltar ao templo sagrado do poder no Maranhão.

Talvez tenha acabado a geração dos filhos que foram criados para serem servidos com o dinheiro alheio, jamais servirem um povo. Deixaram no vácuo o espaço para a categoria dos candidatos eleitos pela rejeição ao outro, esta eleição sintetiza bem o formato do vou votar neste para não eleger aquele.

Nada pior que texto longo e conversa mole de postulante na eleição. Resta o suspiro do Flávio que aprendeu como fazer no papel de empregado do povo, rezando para o Dino exterminar a prática do sobrenome como aval para tudo de errado nesta terra com tanta riqueza tomada.

Que expliquem suas histórias. Vai passando o tempo e as pessoas.

  • Charge do Nuna para a página Opinião, Colunas Aparte e do Klamt, no jornal O Imparcial.

Figuras Políticas – Felipe

Enquanto muitos do governo surtaram na campanha, enquanto muitos partidários ficaram aficionados em eleger seus candidatos, Felipe Camarão (DEM), como secretário estadual da Educação e aliado convicto de Flávio Dino (PCdoB), continuou sua missão de mudar a realidade educacional no Maranhão. Pedindo votos nas poucas horas vagas. Inteligente e competente exemplo de servidor e eleitor.

Figuras Políticas – Astro

Vale a lição de competência como gestor de Astro de Ogum (PR) deixando, em dezembro, uma Câmara de Vereadores de São Luís atualizada na operacionalidade e transparência e fazendo escola como um dos principais articuladores e agregador da campanha do grupo Dino em São Luís. Sabendo que 2020 chega rápido.