Coluna Aparte – Sem dúvidas

Ainda incomoda o Palácio do Planalto e aos militares as duas entrevistas concedida pelo governador Flávio Dino (PCdoB) a Globo News, suas colocações sobre o governo de Jair Bolsonaro (PSL) e a necessidade de igualdade dos militares aos demais brasileiros na nova proposta da previdência repercutiu positivamente na imprensa e no público que acompanha o canal fechado.

Cobranças como retorno das políticas de inserção da população na justiça social e o respeito as opniões ideológicas soaram forte do opositor da direita brasileira.

Indiscutível a leitura de Bolsonaro que Dino será seu principal concorrente na campanha, como também, Dino desenha que o Moro está na mente dos eleitores caso o presidente não mande o inquisidor dos políticos para o papel de ministro do STF.

Bom, caso não aconteça um golpe militar.

  • Coluna Aparte publicada nas segundas-feiras, na página Política, no jornal O Imparcial.
  • Charge do Nuna.

Klamtiando

Depois de resolver o problema da violência contra os lares do Brasil com a posse de armas, Jair Bolsonaro (PSL) deve distrair a atenção da nação com a redução da idade penal. De útil nada ainda!

Tal qual fez Weverton Rocha (PDT) com a família do finado Jackson Lago na tomada do partido, Hildo Rocha nem quis saber de esperar Sarney bater a matraca no além para dominar a presidência do MDB.

Como não conseguiram nada com a turma do Bolsonaro no governo levou a senadora eleita Eliziane Gama afirmar que seu partido PPS vai ficar no paralelo sem juntar na oposição contra o governo. Devem esperar um bom acordo.

Salutar campanha de incentivo às compras para salvar o supermercados Maciel, estranha campanha culpando o governo Dino e o grupo Mateus, inexplicável ambos responderem para a imprensa irresponsável.

Nenhum susto o PCdoB marchar com Rodrigo Maia (DEM) na reeleição da presidência da Câmara dos Deputados. Pelo menos Maia sabe manter a colegagem de liberdade democrática interna. Por enquanto!

Coluna Aparte – Nesta geração

Muitos acreditavam que o projeto Escola Digna surtiria algum efeito na próxima geração no Maranhão, dados confirmam o imediato retorno com 76,28% das vagas da UEMA conquistadas pelos estudantes da rede pública. Nem imaginem o que a oposição ao governo deve estar sentindo.

  • Coluna Aparte publicada nas segundas-feiras, na página Política, no jornal O Imparcial.

Coluna Aparte – Amadurecer

Lamentável iniciar uma segunda sabendo que a semana passada ficou marcada pela infantilidade política de poucos que precisam do flash da polêmica para ocuparem a língua do povo.

Enquanto o vice-governador Carlos Brandão (PRB) e deputados federais eleitos e reeleitos, de todos os segmentos partidários, uniram o bom senso para cobrar do governo Bolsonaro a continuidade das necessárias obras da BR-135, a temível estrada da morte, os personagens Márcio Jerry (PCdoB) e Adriano Sarney (PV) protagonizaram uma troca de palavras nada generosas no Twitter.

Necessário que ambos comecem a amadurecer, aproveitando para realizar ações úteis para os maranhenses.

  • Coluna Aparte publicada nas segundas-feiras, na página Política, no jornal O Imparcial.
  • Charge do Nuna.

Maranhão – Indicação de Bolsonaro

Vai e volta para o Maranhão continua no olho do furacão que envolve a política do Brasil. Curiosamente o novo personagem da polêmica envolvendo Jair Bolsonaro (PSL) tem sua origem familiar no estado.

Vindo de família militar, filho do coronel maranhense Julio Nagem, Carlos Victor Guerra Nagem ou capitão Victor sempre teve laços de amizade e político com o presidente eleito.

Considerado competente profissional, leal no círculo militar e funcionário de carreira da Petrobras, transformou-se no novo assunto nacional pela amizade e indicação para ocupar alto cargo numa gerência da empresa pública.

Interessante que a indicação poderia acontecer sem alardes, bastava o conselho da Petrobras aprovar o nome deixando de lado alguns requisitos obrigatórios. Talvez nem os funcionários e a imprensa teriam notado.

Bastou o destrambelhado Bolsonaro anunciar na sua rede social a promoção para alertar o sindicato dos petroleiros e os meios de comunicação sobre o compromisso de campanha de jamais nomear colegas sem critérios técnicos.

Com um amigo deste quem pode ter sucesso na vida?

Na sombra

Deselegante afirmar que alguém foi indicado para um cargo público somente pelo esquema político.

Verdade que existem profissionais convidados pelos governos no critério da competência, raro, mas existem casos assim no Brasil.

Determinada a rererenomeação da competente presidente do Iphan, Kátia Bogéa, permite a leitura da longa permanência no órgão aliada a amizade com deputado federal Hildon Rocha (MDB). Sarney espertamente tomou a indicação na imprensa.

Elevado ao patamar de assessor especial com substancial decolagem no salário do funcionário de carreira do Banco do Brasil, Antonio Mourão, vai sempre sofrer com a sombra do pai, general e vice-presidente do Bolsonaro, Hamilton Mourão (PSL).

Deve ser depressivo para um filho nunca ser nada por capacidade própria, mas com os bolsos cheios nunca vai faltar um antidepressivo.

Indecifrável fica a nomeação do médico Allan Garcês (PSL) para exercer o papel de diretor no ministério da Saúde. Ninguém conhece a sua competência profissional, sobrando o papel de capaz casqueiro em manifestações de ultra direita.

Interessante que o paraense Garcês escolheu o Maranhão para fazer carreira política. Algum problema com a terra de nascimento?

  • Charge do Nuna.

Brandão

“É sempre uma honra assumir essa responsabilidade. Essa é a quinta vez que assumo interinamente. E tenho certeza que o governador Flávio Dino me passa essa tarefa com a maior tranquilidade. Nossa relação sempre foi de muito respeito e confiança. E assim vai continuar sendo. Trabalhamos juntos por um Maranhão melhor para todos.”

Carlos Brandão, governador em exercício, provocado pela Coluna Aparte.

 

Coluna Aparte – Democracia

Assistimos fatos confusos sobre os direitos constitucionais da população e atos equivocados do novo governo nos diversos setores.

Ansioso em mostrar um amigável papel humano com a imprensa leva o despreparado presidente Jair Bolsonaro (PSL) a criar equívocos e desentendimentos nas falas entre os membros do alto escalão do executivo federal, falta criar uma alfabetização institucional que permita uma linguagem decifrável de qual será realmente o plano de gestão durante os próximos quatro anos.

Destemperada e despreparada, elevou a ministra da Mulher ao patamar de chacota nacional tentando impor condutas agarrada na bandeira religiosa, deve rapidamente levar um pito tipo cala a boca.

Mesmo agressivo, lembrando a empáfia de Zé Dirceu (PT) no início do governo Lula, o ministro Paulo Guedes resolveu pelo silêncio diante de tantos notáveis falando da economia e da reforma da previdência.

Brincalhão, talvez esquecendo que já assumiu a presidência do Brasil, Bolsonaro soltou uma perigosa piada contra os governadores do Nordeste, muitos representantes de partidos de oposição. Conseguiu unir a rejeição dos executivos de esquerda. Briga boa que segue.

Somente Flávio Dino (PCdoB) aparece com disposição e saliva para bater com gosto no mito eleito. Criticado por muitos com a desculpa que deveria ficar submisso ao Palácio do Planalto pelo bem do Maranhão, fortalece a certeza da necessidade de respeito democrático no pensamento ideológico de cada brasileiro.

Muito rápido podemos assistir um presidente impositivo, como sempre foi o Jair. Sem a máscara usada para ganhar a eleição.

  • Coluna Aparte publicada nas segundas-feiras, na página Política, no jornal O Imparcial.
  • Charge da Família Maranha por Nuna.

APARTEANDO

Sem ninguém notar o conselheiro Edmar Cutrim conseguiu colocar nome de confiança na nova gestão do presidente Osmar Filho (PDT).

Preventivamente o presidente do PSL no Maranhão, Chico Carvalho, lançou dois nomes orgânicos para a campanha de prefeito de São Luís.

Para esquentar o debate da sucessão em São José de Ribamar, Jota Pinto, presidente do Patriota, lançou sua candidatura a prefeito construindo a Aliança Ribamarense.

Osmar Filho (PDT) chega à presidência da Câmara de Vereadores de São Luís como o projeto do legislativo metropolitano de olho na eleição de 2020.

Estranho ainda não haver divulgação de nenhuma proposta parlamentar de Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS) para o Senado.

Maranhão sempre na Lava-Jato, onde tudo começou, agora prenderam o atual prefeito de Davinopolis, Rubem Lava Jato, acusado de ser mandante do assassinato do prefeito.

Prefeito Edivaldo Holanda (PDT) começa o ano em alta com a bela Praça Deodoro e um companheiro de confiança na presidência da Câmara de São Luís.

Caldas Furtado deixa o TCE do Maranhão modernizado para a gestão do companheiro de chapa Nonato Lago.

Maranhenses descobrindo que gastaram no Natal e no Ano Novo o dinheiro para pagarem as dívidas de 2019. Bem-vindos a realidade!

Coluna Aparte – Serve?

Verdade, o mito ou messias, como quiserem, chegou ao poder mantendo o otimismo dos brasileiros numa corrente do tem que dar certo porque nada mais ou ninguém resta para solucionar o falta tudo no Brasil.

Para começo da era Bolsonaro somente falam na base de Alcântara concedida aos americanos, o fim do decreto de indulto aos condenados, a invenção do decreto de posse de armas como a vacina imediata contra a violência e a mudança da embaixada brasileira para Jerusalém.

Atos importantíssimos que lembram os rompantes do início do governo Collor. Possível que possam mudar a crise financeira e estrutural deixada pela dobradinha MDB e PT.

Como diziam as campanhas petista para deixar o homem trabalhar, então, trabalhe muito. Mudaram governadores, alguns ficaram, como o reeleito Flávio Dino (PCdoB) que deixou o primeiro mandato com quase 100% das promessas de campanha cumpridas segundo o G1.

Mas, não mudaram os prefeitos, continuam com a mesma política do vou me dar é bem, municípios maiores os gestores estão nos olhos da grande imprensa, nos menores os eleitos nem aí para com os eleitores.

Fica impossível acreditar na transformação diante de todos setores falidos pela incompetência administrativo, somente dar verbas jamais resolveu pendências com tantos interesses particulares sendo supridos antes do público.

Será que existe a fórmula perfeita que consiga exterminar o vírus da corrupção?

  • Coluna Aparte publicada na quarta-feira (02), na página Política, no jornal O Imparcial.
  • Charge do Nuna.