É guerra

O caso do suicídio do médico Mariano Castro,transformado deliberadamente num imenso burburinho político,é típico desses tempos difíceis. O secretário estadual de Saúde,Carlos Lula,foi atirado no centro da confusão,para atingir o chefe dele,Flávio Dino,candidato à reeleição em outubro,tendo como principal concorrente, até agora, Roseana Sarney.

Deixe uma resposta