Arquivos mensais: abril 2018

Ganha força

Com o destroço do PP nacional,diante da operação da Polícia Federal contra o seu presidente Ciro Nogueira,do vizinho Piauí,o deputado André Fufuca vai ganhar musculatura na Câmara e no partido. Como é vice-presidente do PP,fufuca pode assumir a presidência e ganhar muito mais espaço,pois contra ele não pesa qualquer rolo de corrupção.

A crise do golpe

Na análise do governador Flávio Dino,se o Brasil tivesse seguido o curso normal,e não esse caminho repleto de anomalias institucionais,“nossa economia estaria já em franco crescimento”.Ele entende que “a crise econômica está destruindo o pacto federativo e aniquilando avanços sociais”.

Tentação mafiosa?

Flávio Dino voltou a criticar a família Sarney,que dominou a política no estado por quase 50 anos.“Eis uma coisa que não faço:dar atenção a mafiosos e seus asseclas.Estou muito ocupado tentando consertar o estrago que eles fizeram em décadas”,escreveu o chefe do Executivo em sua conta no Twitter.

Não pega

Tentar impingir a pecha de corrupto em Flávio Dino e fazer o povo acreditar é algo complicado nos dias de hoje,em que todos sabem de quase tudo que se passa na gestão publica,além dos controles cada vez mais rígidos.Dino pode até ser “comunista”,que eu tenho dúvidas, mas corrupto,oligarca e patrimonialista,não é.O secretário de Saúde,Carlos Lula,também não tem “liga”

Não é fácil

Roseana teve que usar sua emissora de rádio para reafirmar que a candidatura está de pé e firme.Ela,no entanto,está diante das condições mais adversas, com as quais nunca se habituou a lidar.Só com a operação “Detona Dino”pelas suas mídias,Roseana sabe que não é fácil despejar pelas urnas um governador com a alta que Dino consegue se manter.

Sobram dúvidas

Por que será que até dentro do MDB existem políticos da meia hierarquia para cima colocando em dúvida a candidatura de Roseana Sarney ao governo do Maranhão?A ex-governadora botou a caravana na rua das cidades,mas mesmo assim sobra descrença.Também a acolhida está longe de parecer com os velhos tempos da caneta e do Diário Oficial às suas ordens.

Um 1º de maio diferente

O 1º de maio deste ano eleitoral de 2018 será bem diferente.As eleições de presidente da República a deputado estadual também não terão nem a aparência das anteriores.É o único Dia do Trabalhador em que o primeiro trabalhador da história do Brasil que foi presidente por duas vezes encontra-se preso.Luiz Inácio Lula da Silva,mesmo encarcerado, permanece liderando folgadamente as pesquisas sobre a eleição presidencial. É algo extraordinário,que,porém,não se tornará realidade em outubro.

Logo Lula,que quebrou a espinha dorsal da Ditadura de 64,rompendo a proibição de greve,numa manifestação gigantesca no dia 1º de maio.Foi no Dia do Trabalhador de 1980 que o Brasil começou a mudar. Foi o momento exato em que mais de 100 mil brasileiros,saídos ou não das fábricas do ABC Paulista,encararam os riscos de sair às ruas, ultrapassaram a repressão policial e indicaram o rumo para um futuro democrático que se tornou real na Constituição de 1988.

Aconteceu em São Bernardo do Campo,cidade industrial da Grande São Paulo,onde os trabalhadores metalúrgicos fizeram greves históricas entre 1978 e 1981.Neste período, cada uma a sua maneira,as manifestações de 1º de Maio,realizadas em 1979 e 1980 entraram para a história como as que definiram um novo momento político, com as massas entrando no jogo.Acabaram as comemorações oficiais, como ocorria no Maranhão,onde a Delegacia Regional do Trabalho reuniu os trabalhadores para distribuir presentes,colchões,camas,geladeiras e toalhas,tudo no ritual determinado pelo Regime de Exceção.

Hoje,o Brasil é outro país.A democracia virou a tabuada onde quase todos os brasileiros sabem pelos menos que 2+2 são quatro.Que a eleição é um ato de cidadania para se escolher governantes.Que o Judiciário e o Ministério Público,no entanto,viraram uma casta da elite brasileira, onde seus integrantes são mais poderosos do que os poderosos eleitos pelo povo. Por acumular tanto poder e benesses, o primeiro operário eleito presidente do Brasil e com história única no Ocidente em séculos encontra-se preso,num processo em que a Justiça nem precisa esconder a seletividade e a perseguição. Além do mais, com cobertura espantosa das mídias elitistas, que de tanto desprezarem a verdade,fazem o povo acreditar que essa tal de democracia não vale tanto quanto se fala dela.Chegam a pedir a volta dos generais a nova
temporada no Planalto.

Longe, mas perto da confusão

A família Sarney viajou e deixou para trás a maior confusão política da presente temporada,com as denúncias de monitoramento de opositores do governo por policiais militares.Mesmo com desmentidos irados da polícia,de Flávio Dino e do secretário Jefferson Portela (Segurança),a mídia sarneísta não se cansa de manchetear o imbróglio. O Palanque está armado.

A saúde é o que interessa

A ex-governadora Roseana Sarney e o pai,José Sarney,deixaram o Maranhão e embarcaram para Nova Iorque,acompanhando dona Marly Sarney,que passará por uma cirurgia de reconstrução no quadril. No ano passado,ela sofreu uma queda e,agora,foi em busca de tratamento nos Estados Unidos.

A falta que faz

Os R$ 49,2 milhões seriam destinados às unidades de média complexidade e o repasse havia sido acertado pelo ex-coordenador da Bancada,Rubens Júnior (PCdoB),após várias tentativas de boicote, sobretudo da bancada oposicionista,indiferente às necessidades dos hospitais públicos dos municípios,destino da verba.