Arquivos mensais: fevereiro 2018

Distante da polêmica

Enquanto o mundo político maranhense passou a viver em ebulição por causa do afastamento de José Reinaldo do grupo de Flávio Dino, o deputado preferiu nem tocar no assunto, em seu artigo semanal no JP. Preferiu falar do programa Bolsa Família. Ora, pílulas!

Nada de gagá

A esquerda, que tenta escrachar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), chamando-o de “gagá”, percebeu ontem que o tucano-mor não tem nada disso. Ele avisou ao governador Geraldo Alckmin, seu colega de PSDB, que ele “quer levar bala”, ao defender, anteontem, a privatização da Petrobras, caso seja presidente.

Na beirada do Mearim

O Rio Mearim quando enche é flagelo certo em Bacabal, Pedreiras, Vitória do Mearim, Arari e Trizidela do Vale. Agora já está com as água a ponto de transbordar. Ontem, o deputado Roberto Costa chamou a atenção das autoridades para medidas de prevenção e alerta máximo nas áreas. Flávio Dino informou que a Defesa Civil já monitora oito
cidade ameaçadas de enchente.

Apoio da oposição

Mas fora desse segmento, nenhum político maranhense sabe informar quando e onde Lula escancarou a porteira do PT para Waldir Maranhão que, a exemplo de José Reinaldo, já prenuncia que vai sair da base atirando rumo ao Palácio dos Leões, para a glória do grupo Sarney, como disse ontem o deputado Edilázio Junior (PV) na Alema.

Waldir no PT?

Quem diria, o deputado Waldir Maranhão espalhou em fake news que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estaria garantindo sua ida para o PT e concorrer ao Senado por uma chapa que não seja a de Flávio Dino. Em razão disso, a facção petista que se julga abandonada por Flávio Dino anda toda serelepe, incluindo o deputado federal Zé Carlos.

Calma, após arranca-rabo

Depois de um início de semana de confronto, baixaria e agressões pessoais e familiares na tribuna da Assembleia Legislativa, entre os deputados Adriano Sarney (PV) e o líder do governo Rogério Cafeteira (PSB), ontem o clima foi serenado. Ambos voltaram à tribuna para fazer “mea desculpas”. O ocorrido é apenas uma amostra da fonte da tensão: a campanha eleitoral, que carrega em si ingredientes para tudo que é tipo de sujeira, inclusive extemporâneos ataques à honra e à dignidade.

Os dois deputados se estranharam no calor do debate sobre suposto déficit de R$ 1 bilhão nas contas do governo, que Adriano Sarney tem propalado, alimentando ampla repercussão nas mídias de sua família, porém, contestado pelo líder Rogério Cafeteira,chamado de analfabeto por Adriano. Ele citou o caso da Operação Gran Ville da época de Epitácio Cafeteira no governo – tio de Rogério. Aí a baixaria tomou conta dos discursos. Rogério lembrou o indigesto caso do morto-vivo Reis Pacheco, na campanha de Roseana em 1994, e chamou os Sarney de “quadrilha”. Adriano desceu correndo da tribuna rumo a Rogério,sendo
impedido de agredi-lo por Andrea Murad.

Ontem, Adriano, já calmo, defendeu debate produtivo em prol do Maranhão, deixando, à parte, as baixarias pessoais e questões familiares. Disse que há três anos ouve questões sobre sua família, empresas, até chegar o momento em que “o corpo começa a virar, a entornar” e ele não aguentar mais. Rogério Cafeteira também foi à tribuna pedir desculpas “a todos que tiveram o desprazer de ver aquela discussão”. Acrescentou que não é o tipo de discussão que se espera dentro de um Parlamento. E que “jamais” faltou com respeito à família de Adriano Sarney. E conclamou a todos para o debate de alto nível.

Depois de ouvir as duas manifestações, em tom conciliador, o presidente da Casa, Othelino Neto, elogiou a atitude dos parlamentares e explicou que a democracia permite qualquer tipo de debate, desde que não extrapole para o terreno da baixaria, que só enxovalha a imagem do parlamento como um todo. Pediu parcimônia nas discussões e controle nas emoções, que Adriano disse ter perdido, ao ficar possesso.

Dois extremos

A situação do deputado federal José Reinaldo continua embaraçada. Ele vai assinar a ficha de filiação do DEM no dia 10, mas o presidente regional Juscelino Filho está com a legenda na aliança com o PCdoB de Flávio Dino. Significa que, caso isso se confirme, o DEM pode sofrer intervenção nacional e sair da aliança comunista. Também pudera: direita e esquerda sempre dá complicação, principalmente juntas.

Mostrando musculatura

Ao fazer uma festança para sua filiação ao PRB, o vice governador
Carlos Brandão mostrou ao senador Roberto Rocha, que o defenestrou do PSDB para tomar conta da legenda, que continua forte e alinhado com Flávio Dino. O governador compareceu ao ato e praticamente confirmou Brandão como vice novamente.

Especulação

Como as eleições do Maranhão estão mais amarradas em impasses do que em decisões, sobra espaço para especulações de todos os gostos e interesses em jogo. A nova, em forma de fake news, correu solta ontem: o deputado Eduardo Braide (PMN) seria a cabeça da chapa ao governo, com Maura Jorge na vice e José Reinaldo ao Senado.

Muita zoada

A informação foi explosiva, depois que Reinaldo falou sexta-feira (23) a O Imparcial, comentando sobre a sua insatisfação com Flávio Dino por não mostrar interesses em indicá-lo candidato ao Senado. Virou o tema político do fim de semana, enquanto o deputado espera fazer um barulhão no ato de filiação ao DEM, no dia 10.