Arquivos diários: 05/09/2017

Festejo de São Luís

Em pleno feriadão, o aniversário de 405 anos de São Luís será um festejo de cinco dias, de 6 a 10, com robusta programação de shows: Rita Benneditto, Criolina, Tom Cléber, Carlos Gomes e Cláudio Fontana, no Espigão da Ponta d’ Areia, a partir das 18h.

Inversão dos fatos

O ex-presidente Lula não foi a Timon fazer nenhum ato público, ao contrário do que sarneístas apressados difundem nas redes sociais. Lula foi simplesmente receber o título de cidadão timonense, dado pela Câmara de Vereador em reconhecimento às realizações de seu governo no município.

Justiça cara demais

Os gastos com juízes em todos os graus nos tribunais brasileiros são disparatados de um estado para outro, conforme estudo do Conselho Nacional de Justiça. Enquanto Mato Grosso do Sul gasta R$ 96.895 em média mensal com cada magistrado, o Maranhão ficou em R$ 42,154 e o Piauí, o mais baixo, com R$ 23,387.

O custo médio mensal de um magistrado foi R$ 47,7 mil ao longo do ano passado, segundo o levantamento “Justiça em Números”, divulgado pelo CNJ. Engloba não apenas a remuneração dos magistrados, mas também encargos sociais e despesas com passagens aéreas e diárias e penduricalhos.

Onde se começa a ser feliz

No ato, Lula lembrou de1985, quando o PT disputou as eleições municipais e Geraldo Vandré fez uma música onde diz que “uma cidade parece pequena se comparada a um país, mas é na minha e na sua cidade que se começa a ser feliz”. Ele desembarcou ontem à tarde em São Luís estafado. Ficou no hotel descansando.

Falando das cidades

Em Timon, onde recebeu o título de Cidadão Timonense, Lula disse que “é impossível o país estar bem quando as cidades, os estados e o povo estão mal”. Lembrou que foi ele quem criou o Ministério das Cidades e uma secretaria para receber prefeitos.

Fim da caravana

Michel Temer encerrando a viagem à China, Lula encerrando em São Luís a Caravana do Nordeste, Flávio Dino inocentado da denúncia na Lava-Jato, José Sarney em dúvida se disputa nova eleição de senador no Amapá e Roseana na moita, esperando o tempo desanuviar no PMDB, com sua cúpula enredada até a linha da cintura na força-tarefa de Curitiba. Eduardo Cunha, curtindo 15 anos de cadeia, não acertou delatar o que sabe e o que fez. Neste cipoal de espinhos e pedregulhos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai ter encontro, hoje à tarde, na Praça Pedro II, com o povo maranhense, encerrando a peregrinação “Lula pelo Brasil”.

O ex-presidente percorreu quatro mil quilômetros, cruzou os nove estados do Nordeste, discursou em 25 cidades, debatendo o Projeto do PT para o país. Já afônico, com a garganta aos frangalhos, Lula mastiga gengibre e vai à luta na defesa de suas ideias. Mostra que o golpe que despejou Dilma do Planalto só piorou a crise. Ele joga para o povo o eixo central do processo em que foi condenado e outros que faltam julgamento. Perseguição judicial” é palavra-chave dos discursos improvisados, que, apesar da rouquidão, chega cristalizado aos ouvidos dos milhões de aduladores, que o reverenciam. Se a Justiça deixar, Lula pode repetir seus feitos eleitorais na região em que nasceu e em que é idolatrado.

Num momento raro de sua história, o PT está unido no Maranhão para receber a caravana de Lula. Também pela primeira vez, desde que foi eleito em 2002, o petista não terá o Grupo Sarney ombreado no palanque. Mesmo sem haver qualquer malquerença entre os dois políticos, porém, o PMDB é o oposto. A própria presidente do PT, Gleisi Hofmann, já garantiu que em 2018 o seu partido e o PCdoB estarão unidos na disputa da reeleição de Flávio Dino, mesmo que ele tenha Roseana Sarney como adversária. Foi com Dino que Lula jantou ontem, hoje visita o Porto do Itaqui e a Casa de Niná, na Praia do Calhau, outrora casa de veraneio do governo.

O ex-presidente chegou cansado da caminhada, repetindo as outras que fez antes de ser eleito. Só que, desta vez, Lula não está em campanha eleitoral. É campanha pelo soerguimento do PT, reativação da militância e o seu reencontro com o povo nordestino, região com a qual mais se identifica e que mais se beneficiou de seus governos. No Maranhão, Lula e Dilma Rousseff obtiveram as maiores votações nos 14
anos de Planalto, dando de‘capote ’nos adversários. Na pesquisa da Escutec, realizada em junho passado, Lula aparece disparado com incríveis 60,3% de intenções de voto, seguido de Marina Silva com 10,4% e Jair Bolsonaro, com 9,6%.