Prazo final

O carnaval passou, e os secretários que vão deixar o governo Flávio Dino para disputar as eleições de outubro já esvaziaram as gavetas e esperam apenas o chefe dar o tiro de aviso que a hora chegou. São sete secretários e dois presidentes de órgãos vinculados ao governo que estão desincompatibilizando-se.

Quem falou que a reforma se daria “logo após o carnaval” foi o próprio governador. Ele anunciou que, por uma questão estratégica, os secretários serão substituídos pelos seus respectivos suplentes. Seria temeroso trazer pessoas de fora para conduzir as pastas vagas, sem conhecimento detalhado do que se passa na programação local e global do governo.

Só praguejamento

Os sarneísta, a todo vapor, cuidaram de tentar desmoralizar a Beira-Mar como o local escolhido por Flávio Dino para o carnaval. Travaram uma guerra de disse me disse, presta não presta, acaba não acaba o carnaval. Mas, no fim, Dino que começou rufando tambores treme-terra, no bloco “Os comunas”, acabou, no arremate da folia, levando a melhor.

Do profano à fé

Depois do tremendo sucesso do carnaval maranhense na Praça Maria Aragão e Avenida Beira-Mar, uma festa considerada profana, no dia seguinte, a Praça já estava tomada pelos evangélicos no tradicional retiro de orações. Espécie de descarrego. Um evento de grande repercussão, que os políticos não deixaram passar em branco.

Aprovação alta

A pesquisa do Datailha foi registrada no TRE-MA (número 06345/2018) e ouviu 2.137 eleitores em 37 cidades do Maranhão de todas as regiões do estado, entre os dias 8 e 9 de fevereiro, logo antes do carnaval. A margem de erro é de 3,2% para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. O governo tem média de 61,2% de aprovação.

Pesquisa aponta Dino com 62,4.

A primeira pesquisa eleitoral de 2018, realizada pelo Instituto Datailha, mostra que Flávio Dino (PCdoB) seria reeleito no primeiro turno com 62,4% dos votos válidos contra 29,1% de Roseana Sarney (PMDB). No pleito presidencial, o ex-presidente Lula tem 59,2% dos votos válidos no Maranhão, contra 17,4% de Jair Bolsonaro (PSC).

A política nas entranhas do carnaval

O carnaval maranhense deste ano foi movido a purpurina, paetês e, no meio, a guerra política. Acabou levando a escola Marambaia, há 63 anos participante dos desfiles oficiais apenas como figuração, ao inédito título de campeã. O enredo Nordeste Brasileiro, com Lampião no centro, foi o máximo. Daí algo vermelho surge no ar. O ano promete para os comunistas.A Marambaia é historicamente um ninho de comunistas, dirigida pelo Haroldão, do Bairro de Fátima. Ironicamente, o PCdoB ganhou na passarela, o carnaval maranhense,historicamente,
foi dominado pelo grupo Sarney. Basta lembrar os bons tempos da Flor do Samba, escola em que Roseana Sarney tinha lugar marcado em suas alas, e a agremiação, o pódio.A escola da Rua São Pantaleão ficou agora em segundo lugar.

Como os Sarney são supersticiosos ao extremo, só esse fato carnavalesco de 2018 já deixou muita gente no grupo de cabelos em pé, imaginando uma premonição. Já a Turma do Quinto, que em 2003, com Roseana Sarney no Palácio dos Leões, levou para a avenida o enredo Mãe Kiola, homenagem ao ex-presidenteJosé Sarney, acabou campeã. Agora ficou em 4º lugar.

Naquele ano, o secretário de Cultura, o poeta Luís Bulcão, preparou a letra do samba, que pedia: “Embala eu, mamãe Kiola/Embala eu, com essa alegria/ Vou levar José/ Pelo fardão da Academia/ Embala eu, mamãe Kiola/ Um grande amor ninguém contesta/ O povo canta a Escola/ E a Madre Deus está em festa”.Sarney teria assistido ao desfile, de um helicóptero do GTA. Em2001, foi o programa de turismo de Roseana – os segredos doMaranhão – que rendeu o título de campeã à turma do Quinto.

Quando o pessoal saudosista do sarneísmo verberava contra, por todos seus meios de comunicação, Dino não deu bola. Foi sucesso retumbante na Beira-Mar, com espaço para os foliões, blocos e escolas. No total, foram 87 agremiações. O Maranhão foi destaque com os acadêmicos de Tatuapé e Mocidade Alegre, que ficou em segundo lugar. O resto fica por conta da imaginação dos carnavalescos de plantão na espera de 2019,quando a eleição de outubro é que vai definir o enredo.

Na Micarroça

O senador João Alberto e o filho, deputado federal João Marcelo, ambos do PMDB, preferiram encerrar ontem o carnaval na cidade de Rosário, participando da “Micarroça”, bloco de dezenas de carroças, enfeitadas com motivos carnavalescos. A multidão segue a Micarroça,
incentivada pela prefeita Irlahi Moraes (PMDB).

Direita e esquerda no samba

Vence no Carnaval do Rio o discurso da Beija-Flor, de exaltação da Lava-Jato, de destruição da Petrobras e da ênfase de que o principal problema do Brasil é a corrupção. Já a escola Paraíso do Tuiuti, que se destacou pela irreverência e pelo enredo de protesto, ao denunciar o
golpe de 2016 ao mundo e criticar duramente Michel Temer, como neoliberalista, foi vice-campeã.

A política no retiro

Como o governador Flávio Dino prestigiou o retiro dos evangélicos na Praça Maria Aragão, região central de São Luís, a deputada Eliziane Gama (evangélica) fez o que pôde para mostrar que, ao lado do colega pedetista Weverton Rocha, ela exibia o jeito de segundo nome a ser apontado como candidata ao Senado por Dino.

Carnaval pirata

O deputado Josimar de Maranhãozinho (PR), pré candidato a deputado federal, resolveu andar com um trio elétrico em vários municípios,
com uma galera especializada em agitar no carnaval, com jeito de campanha.Alguns prefeitos, no entanto, simplesmente fecharam a porteira da folia alienígena.Fizeram o trio peregrino voltar da entrada da cidade.